BENGALA VERDE, PARA QUE A SOCIEDADE NOS VEJA

Submitted by Diniz on ter, 06/06/2017 - 12:11

As pessoas com baixa visão tem uma possibilidade muito reduzida de enxergar. Quem apresenta diminuição da acuidade visual tem dificuldades na vida diária, mormente para ler, reconhecer pessoas, dirigir, assistir televisão, praticar esportes, etc. Já aqueles que apresentam alteração no campo visual tem comprometido o caminhar, deixando este indivíduo mais propenso a tropeçar, esbarrar ou não identificar alguém ao seu lado.
A baixa visão nem sempre é visível ou perceptível pelas pessoas, pois os olhos costumam se apresentar em seu aspecto comum. Isso gera uma série de consequências, principalmente em relação à identificação da deficiência pela sociedade.
Quem tem baixa visão não é totalmente cego e, por conseguinte, apresenta uma melhor desenvoltura no deslocamento e em outras atividades as quais dependem também da visão. É importante compreendermos que as consequências da baixa visão ainda não  são solucionadas com o uso de óculos ou cirurgias. Na maioria dos casos, decorrem de doenças da retina ou glaucoma avançado, que não tem perspectiva de tratamento médico.
Em 1994, a professora Argentina Perla Mayo, criou a Bengala Verde. A cor verde foi escolhida para representar uma nova forma de se ver. Ver-de-novo, ver-de-outra-forma. “Queremos que quando uma pessoa veja uma bengala verde na rua, saiba que essa pessoa tem baixa visão, não sendo cega e, por conseguinte, não precisando necessariamente de auxílio" para tudo, diz a professora.
A utilização da Bengala Verde por pessoas com baixa visão torna possível sua identificação e distinção em relação às pessoas totalmente cegas. Nesse sentido, é  notável a importância do movimento pela Bengala Verde, que surge em âmbito mundial como um instrumento de comunicação dos indivíduos com baixa visão com a sociedade, tendo como objetivo a conscientização das pessoas sobre a existência e consequências da baixa visão.
Há um grande constrangimento quando uma pessoa é auxiliada em excesso por conta de sua baixa visão ou, em teoria, por sua cegueira. Quando o auxiliado demonstra que enxerga algo, o ajudante se sente surpreso em sua boa-fé porque está ajudando alguém que, supostamente, disse ser cego e, na verdade, não o é.
Existe, ainda, pessoas que se recusam a usar a bengala branca porque esta é um elemento da cegueira total. Para quem perde a visão paulatinamente, é muito difícil aceitar os sinais de cegueira.
A bengala verde coloca a pessoa que a usa em uma posição de verdade em seu entorno. É dizer: essa bengala diz que preciso de ajuda, todavia posso enxergar um pouco. Se você me ajuda sabendo que vejo, não estou te incomodando nem abusando de sua boa vontade.